Dieta Detox: Benefícios

Muita das vezes, o indivíduo acaba engordando porque o nível elevado de estresse culmina num acúmulo das taxas de cortisol. Ao optar pela dieta detox, o indivíduo deverá alterar substancialmente seu estilo de vida, ao menos no decorrer da semana na qual fará o tratamento. Com isso, ele conseguirá baixar os níveis de cortisol, acelerar o metabolismo, começar a emagrecer, além de melhorar as funções intestinais, a pele e o cabelo. Ademais, a alimentação “pesada” prejudica a qualidade do sono. Através de uma alimentação equilibrada todas essas funções tender a ser desempenhadas de um modo mais aprimorado.

Como o detox exige o consumo de muitos alimentos desconhecidos, a tendência é que o paladar do indivíduo também evolua gradualmente. Atualmente, o mercado possui uma gama de alimentos orgânicos e funcionais, e podem surgir dúvidas sobre como preparar esses alimentos, em quais receitas eles podem ser inseridos, e quanto às possibilidades de extração de sabor.

O detox proporciona ao paciente a oportunidade de aprender a cozinhar sem usar glúten ou lactose, excluindo alimentos muito recorrentes na cozinha tradicional, como ovo, farinha e o açúcar, que apesar de saborosos, não devem ser utilizados com tanta frequência.

 

 

O detox desincha o organismo, fazendo com que o corpo e o metabolismo comecem a trabalhar melhor.

O emagrecimento é uma das consequências desse novo cardápio. Ademais, é preciso enfatizar que os benefícios vão muito além da perda de peso, como a elevação da autoestima, aprimoramento do funcionamento intestinal, melhora da capacidade mental, amenização de crises alérgicas (a rinite é um bom exemplo) e aumento de disposição.

Conforme os dias de prática da dieta detox aumentam, algumas pessoas acabam se surpreendendo com a readaptação de seu paladar. Assim, a ausência de sal e de outros temperos clássicos cede lugar a novas experiências de aromas. Na hora de verificar os resultados práticos obtidos, as surpresas também tendem a ser benéficas, como a perda de aproximadamente 1,5 kg e 3 cm de cintura em apenas 5 dias.

Outro dado que apresenta melhora e merece destaque é o índice de colesterol na corrente sanguínea, que em alguns casos varia, de 209 mg/dL para 180 mg/dL, em média. Esse mesmo efeito pode igualmente ser aplicado à taxa de triglicerídeos e à pressão arterial, que também estão propensas a exibirem porcentagens mais reduzidas e equilibradas. Somente com a mudança do estilo de vida e escolha correta da alimentação, alguns indivíduos chegam a apresentar índices de colesterol próximos de 165 mg/dL.

 

O chamado estômago alto pode ser sinal de alguma ineficiência da capacidade digestiva. Caso esse sintoma esteja associado a um estufamento, mesmo após comer pouco, é bem provável que a flora intestinal esteja em desequilíbrio. Diante desse quadro, a dieta detox é altamente indicada. Deve-se aproveitar o momento de pós-limpeza intestinal para fazer uma reposição dos probióticos e pré-bióticos, isto é, equilibrar a flora intestinal, precavendo-se contra a distensão que possa ocorrer após a ingestão alimentar.

Como as toxinas se acumulam em toda a vilosidade do intestino, é natural que no decorrer da vida a absorção dos alimentos pelo intestino seja um pouco prejudicada. Com a dieta detox, é possível limpar essas microvilosidades (são milhares) através da ingestão de clorofila, sucos, e água. Isso desintoxica e torna o intestino mais saudável a fim de diminuir a sobrecarga imposta ao fígado, órgão responsável por realizar a limpeza de todo o sangue do corpo. A maioria dessa corrente sanguínea advém do próprio intestino, do qual sai carregado de toxinas e bactérias.

Um fígado saudável é plenamente capaz de lidar com essa circunstância. Porém, ele pode acabar ficando deteriorado devido à manutenção dos hábitos nocivos já mencionados. Assim, caso o fígado não esteja muito saudável, as toxinas presentes no corpo podem começar a se acumular drasticamente. Nesse contexto, podem surgir todos os sintomas relacionados a desconfortos e doenças muitas vezes inespecíficos.

 

Ademais, em muitos casos, as pessoas reclamam de cansaço, dor de cabeça, sintomas de TPM em excesso e outros problemas que podem ser minimizados através da dieta detox. Muitos dos transtornos que são ocasionados devido ao mau funcionamento da tireoide, e o fato de muitas pessoas apresentarem hipotireoidismo, têm origem na ação exercida pela toxina que age sobre a respectiva glândula. Ao fazer a dieta detox, esse processo melhora profundamente. Acne e queda de cabelo também são outros problemas que podem ser amenizados pela dieta detox.

A utilização da dieta detox visa aprimorar todo o funcionamento do organismo para que ele execute essas funções de uma forma adequada, assim, ela pode melhorar consideravelmente a qualidade de vida do indivíduo, sendo muito indicada, por exemplo, para pessoas que levem um ritmo de vida agitado e estressante, ou até mesmo que possuam insônia.

A dieta detox, por sinal, tem o efeito de alcalinizar o pH. Geralmente, quem consome muito açúcar e gordura, tem um pH do sangue muito ácido. Isso pode acarretar osteoporose, excreção do cálcio presente nos ossos e mais uma série de outras complicações.

Suco Detox para Emagrecer

Uma alternativa é mesclar o suco de 1 laranja com o suco extraído de um 1 limão. Em seguida, pode-se adicionar 2 fatias de gengibre, e um pequeno punhado de couve-manteiga picada. Caso o sabor não esteja agradável, pode-se adoçar com uma colher de sopa de mel. Por fim, basta acrescentar um copo de água gelada. Depois, é só bater todos ingredientes e consumir o suco ainda gelado.

 

Primeiramente, deve-se abandonar o consumo de produtos industrializados, recorrer a sucos naturais (preferencialmente provenientes de frutas orgânicas), usar água mineral ou de coco, e priorizar alguns alimentos muito importantes para a dieta detox.

Limão

O limão é um alimento tradicionalmente ácido, mas, poucas pessoas sabem que após o contato dele com a mucosa gástrica ele se torna alcalino. Logo, trata-se de um alimento que protege o estômago. Por conta disso, deixar de consumir limão devido à gastrite é um erro. Pacientes que tomam meio limão com água em jejum passam a ter um estômago alcalinizado, e não ácido. A laranja tradicional (não a lima) é realmente ácida, assim como o abacaxi. Mas, o limão pode fazer parte do tratamento dos pacientes com gastrite normalmente.

Couve

Além de adstringente, a couve também é altamente concentrada em ferro. Um bom suco detox deve ser composto por couve, maçã e laranja lima. Uma alternativa é trocar a maçã pelo gengibre.

Consumo de líquidos na detox

Durante o período da detox, é imprescindível que o consumo de água não seja interrompido. A ingestão mínima deve ser de 2l/dia, ou até mais, e de pelo menos 1l/dia de chá verde, atentando-se para ingerir essa infusão por volta das 16h. Desse modo, a sugestão é para que sejam consumidos cerca de 3l diários de líquidos, divididos entre água e chá. A dieta detox é uma oportunidade para ter a água como meio de transporte de todas as toxinas do intestino para o fígado, levando-as por fim até os rins, que se encarregará de eliminá-las do corpo.

Infelizmente, ainda existe muita dificuldade com relação à oferta, acesso, e preço dos alimentos orgânicos. Alguns supermercados já colocam uma sessão exclusiva para alimentos orgânicos, assim, vale a pena procurar por esse setor. Outra alternativa são as feiras orgânicas.

Quando não se tem à disposição alimentos puramente orgânicos, existem algumas dicas relacionadas à higienização, que podem ser efetuadas por meio do uso de bicarbonato ou vinagre. As frutas e hortaliças podem ser deixadas em banho de um dia para o outro para que boa parte dos agrotóxicos e herbicidas seja removida.

Suco verde

O ideal é escolher três ou quatro sucos distintos e tentar manter o hábito de tomá-los diariamente pela manhã, iniciando o dia com gotas de limão e água, ou ao menos com um suco detox.

O suco verde, típico da detox, pode ser tomado diariamente mesmo que a dieta não seja seguida. Uma opção de suco para ser tomado todos os dias pela manhã é o composto por kiwi, pepino, folha de couve e limão. A chia pode ser acrescentada, mas o recomendável é que essa ingestão de fibra aconteça depois de se fazer a dieta. Laranja lima, couve e maçã podem compor outro excelente suco. Bebidas à base de frutas vermelhas também são comuns na detox.

A clorofila, elemento responsável pela fotossíntese desses vegetais, não está presente na maioria dos alimentos, e pode ser encontrada em lojas de produtos orgânicos e naturais. A ingestão deve ser de 1 colher de sopa de clorofila antes de cada uma das refeições, preparando o intestino para receber o tratamento. A clorofila ideal é aquela feita com flaconete.

 

Os sucos da dieta detox compõem uma parte importante do método, sobretudo no que se refere à parte crua, afinal, deste modo é possível ter uma preservação mais favorável dos nutrientes, antioxidantes e enzimas. Sobre as últimas, vale lembrar que elas são atuantes na digestão. A alimentação viva, totalmente baseada na ingestão crua dos alimentos, é amparada por diversos estudos que apresentam aumento de longevidade devido à diminuição do requerimento do organismo.

 

Muitas pessoas acreditam que, pelo fato de tomarem suco verde, estão fazendo uma dieta detox, o que é um equívoco. A bebida é, na verdade, um dos componentes da dieta. Além disso, o suco não precisa ser, necessariamente, verde. Se forem usadas frutas vermelhas, por exemplo, que são extremamente antioxidantes, o suco ganhará uma tonalidade roxa. Caso o açaí seja acrescentado, a cor predominante será o marrom.

O mais importante é a concentração de clorofila, o que equivale a dizer que o suco deverá conter folhas verde-escuras. Também é possível associar o suco de limão, que ajuda a equilibrar o nível de pH do sangue, tornando-o alcalino. Outros elementos que podem compor o suco são pepino, gengibre (que tem importante ação termogênica), erva doce, hortelã e biomassa de banana verde.

As folhas da couve podem ser substituídas pelo espinafre e, além disso, existe clorofila em polpa congelada disponível para compra. Outra alternativa que deixa a receita mais prática é preparar os cubos de gelo com suco de couve. Depois, basta bater com as frutas selecionadas. Geralmente, as folhas podem ser batidas com duas frutas de baixo teor calórico, como frutas vermelhas, maracujá, acerola, e limão. Isso ajuda a suavizar o sabor do suco. Há quem consiga partir direto para o consumo do suco feito apenas com vegetais. Mas, se este não for o caso, basta adicionar as frutas sem problema algum.

O consumo deve variar entre 200 a 300 ml de suco por dia. O ideal é que o suco seja consumido logo pela manhã, quando o organismo esteja em jejum. O mesmo se aplica à água com limão, que ajuda a trabalhar o pH sanguíneo.

Atualmente, existem algumas marcas de sucos que estão sendo fabricados sem acréscimo de conservantes e aditivos químicos. Nestes casos, o efeito é menos nocivo. Contudo, ainda assim deve-se priorizar o consumo dos sucos naturais.

Intoxicação Alimentar

Além disso, deve-se observar o tempo com que os alimentos ficam nas prateleiras, pois quanto mais tempo eles permanecem armazenados, mais prejuízos eles podem acarretar para o organismo. Os alimentos contidos em caixinhas, por exemplo, são ricos em conservantes, fazendo com que as pessoas sejam cada vez mais vítimas do inchaço, efeito também provocado pelo excesso de sódio.

Água

No decorrer do detox, a hidratação é um ponto central. Dessa maneira, além da água, é altamente recomendável o consumo de determinados chás, como o de hibisco ou chá verde. Entretanto, no caso do chá verde, o ideal é que a bebida não seja consumida após as 17 horas. Essa cautela se deve à presença de cafeína no chá verde. Se a intenção do detox é proporcionar relaxamento corporal, um estimulante como a cafeína poderá acabar prejudicando o sono, pois o indivíduo deve dormir cedo. Caso o indivíduo permaneça acordado até tarde ele poderá ficar com fome, e comendo nesse período, os resultados esperados poderão não ser atingidos.

Detox e atividades físicas

Se o indivíduo praticar atividades físicas, o nutricionista tende a acrescentar uma alimentação mais intensa.

Efeitos colaterais

Geralmente, o detox também provoca dores fortes de cabeça. Mas, se o indivíduo tomar analgésicos para aplacar a cefaleia, ele acabará comprometendo a dieta.

 

 

Poluição, cigarro, água, alimentos que contenham agrotóxicos, agentes químicos, como detergentes em pó, possuem o poder de contaminar nosso corpo.

Alumínio

A aglutinação de substâncias nocivas ao nosso organismo pode ocorrer até mesmo por meio da panela de alumínio utilizada para cozinhar. Quando aquecido, esse utensílio libera moléculas do referido metal, que por sua pode facilitar o surgimento da doença de Alzheimer. Pessoas que tenham tendência a desenvolver essa doença e que cozinhem nesse tipo de panela durante anos poderão contrair tal enfermidade com uma maior facilidade. Por outro lado, a nutrição provê alguns alimentos que têm a capacidade de eliminar o alumínio do organismo.

Chumbo e mercúrio

Um organismo intoxicado por chumbo pode sofrer sérios danos nos neurônios e até mesmo perda de memória. O mercúrio, que pode estar presente no salmão, pode igualmente intoxicar o corpo. A exceção se aplica ao salmão de cativeiro, onde a água recebe um tratamento adequado. Em contrapartida, essa vertente de salmão perde grande parte da concentração de ômega 3.

Cádmio

Outro metal pesado que agrega um alto nível de periculosidade à saúde é o cádmio, presente na atmosfera poluída. Da mesma forma que os demais metais, o ideal é prevenir uma possível intoxicação por meio da alimentação.

A maioria dessas contaminações apresentam sintomas, afinal, trata-se de substâncias tóxicas. Desse modo, determinados sinais, como queda de cabelo, irritabilidade, sintomas de TPM, e unhas quebradiças podem estar associados à intoxicação causada pelo consumo de metais pesados.

Leite materno contaminado

Algumas lactantes podem acabar produzindo leite contaminado em virtude do consumo intenso de agrotóxicos. Para descobrir se existe este risco, as lactantes precisam se submeter a exames. Dessa forma, o médico conseguirá avaliar se existe a contaminação e, caso positivo, apontar sua origem. A partir daí, são estabelecidas maneiras de se eliminar a intoxicação.

 

 

Ao ficar intoxicado, o corpo logo pode passar a exibir sinais. O sono pode já não ser mais tão revigorante, e ao acordar pela manhã poderá ser possível notar uma maior rigidez das articulações, o que poderá dificultar os movimentos. Outros sintomas são as pálpebras inchadas ao levantar, perda de apetite durante a manhã e sensação de fome ao término do dia, além do desenvolvimento de algumas alergias, perda de memória, cansaço, problemas de libido, dentre outros.

Comidas rápidas e industrializadas podem proporcionar elevadas taxas de colesterol e triglicerídeos. Alimentos que contenham conservantes, corantes e quaisquer outros aditivos e agrotóxicos, além de carnes que contenham hormônios e antibióticos, são ricos em substâncias tóxicas para o corpo. Diante disso, muitas pessoas recorrem à dieta detox, tratamento que visa estimular a eliminação de toxinas do organismo.

O glúten é um dos elementos que mais intoxicam o corpo, essa substância marca presença na cerveja, nos biscoitos, no pão e nas massas em geral.

 

 

A dieta detox trata-se de um método que vem ganhando espaço por conta do ambiente carregado de toxinas no qual todos vivem. As toxinas estão presentes na água, nos alimentos e no ar. Isso faz com que seja gerado um acúmulo de metais pesados, como cobre, o próprio chumbo presente nas latas de bebidas, corantes, herbicidas, agrotóxicos e produtos industrializados. Esses elementos estão muito presentes no ambiente recente, proporcionando um considerável grau de contaminação constante, que ocorre naturalmente para todos.

O que ocorre na sociedade moderna é que a população se acostumou a consumir tudo o que é oferecido sem realizar quaisquer questionamentos. Esse estilo de vida rodeado de alimentos industrializados e similares tem gerado situações e problemas de saúde que não eram registrados há anos. Tudo isso, certamente, poderá acelerar os processos vinculados ao desenvolvimento de doenças e ao envelhecimento. Muitas enfermidades decorrem destes hábitos.

Acumuladas, essas toxinas provocam sintomas pouco específicos e com os quais as pessoas sofrem sem conseguir encontrar a resposta exata para o problema, mesmo após realizarem consultas médicas. Desse modo, fadiga, empachamento intestinal, rinite, alergia, e dores de cabeça podem ser provocadas pelo consumo de determinados alimentos que contenham lactose, glúten ou derivados de ambos, por exemplo.

Evidentemente, o ideal é tentar manter um padrão de alimentação orgânica e natural. Mas, isso é complicado, seja devido à dificuldade de encontrar o alimento orgânico em condições favoráveis, seja com relação aos elevados preços desses produtos.

Ao menos uma vez ao ano, deve-se fazer uma limpeza e desintoxicação geral do organismo.

Quem passa pela detox tende a se sentir melhor consigo mesmo e motivado a, nos dias e semanas seguintes, manter o mesmo estilo alimentar. Eventualmente esse planejamento poderá falhar, o que é natural perante o meio social vigente. Diante disso, é preciso fazer pequenas compensações, ajustar outra detox por um período curto de dois, ou três dias, efetuados a cada três meses, além do tratamento completo, que leva de sete a 15 dias.

 

 

Hoje, todos se encontram em meio a um excesso de toxinas, elas estão presentes sob a forma de gases poluentes, nos alimentos – repletos de agrotóxicos e pesticidas, na comida industrializada, nos conservantes, aditivos, adoçantes, dentre outros elementos que abarrotam diversos rótulos de produtos. Soma-se a isso o consumo de drogas, álcool e medicamentos. Em grande parte, as substâncias utilizadas são totalmente desconhecidas pelo o organismo, e como ele não sabe como processá-las, é preciso encontrar outros meios para eliminá-las.

Por conta disso tudo, grande parte das pessoas possui um organismo sobrecarregado. Existe uma série de nutrientes e elementos antioxidantes que ajudam o fígado a realizar esse processo de eliminação corretamente, mas, como essas pessoas se alimentam muito mal, elas não detêm a matéria-prima necessária para efetuar esse processo.

Uma consequência de todos esses problemas é a recente epidemia de câncer, já que as toxinas são responsáveis por mutações no DNA, culminando na presença de células defeituosas. Além de tumores, também resultam da quantidade excessiva dessas substâncias males como fadiga, envelhecimento precoce, problemas de tireoide, infertilidade, depressão e alguns transtornos neurológicos, tendo em vista que o cérebro é extremamente suscetível à ação de toxinas.

Quando em excesso, essas toxinas desaceleram os processos metabólicos, podendo desencadear uma grande dificuldade para emagrecer. Às vezes, o indivíduo segue criteriosamente todas as orientações médicas, mas mesmo assim não consegue perder peso. Analisando profundamente o caso, pode se perceber que, de fato, não existe nada que justifique a manutenção do mesmo peso, exceto o volume excessivo de toxinas. Ao concretizar a detox, o organismo consegue eliminar todas essas toxinas. Com esse processo de limpeza, o metabolismo acaba sendo reativado e, assim, o indivíduo começa a responder melhor aos tratamentos propostos.

Leia mais em: http://dietasdetox.net.br/emagrecer

Outro cuidado necessário é com relação ao uso demasiado de cremes e perfumes, que nada mais são que toxinas que adentram o corpo através da pele. O desodorante aerosol, por exemplo, contém grandes concentrações de alumínio, um metal muito perigoso para o organismo.

Ao ser aquecido, o ftalato, substância presente no plástico, se desprende e é direcionado para o alimento. Esse é um grande problema, uma vez que o hábito de esquentar a comida em recipientes de plástico (como o tupperware) tem sido um dos principais fatores associados à obesidade, dificuldade para emagrecer, câncer e infertilidade.

Alimentos inflamatórios e alergênicos

Durante o tratamento detox, a carne vermelha deve ser igualmente excluída do cardápio, mesmo as versões orgânicas. Isso porque essa variedade alimentar requer muitos nutrientes para que ela possa ser digerida. Além disso, vale ressaltar que existem diversas vertentes de dieta detox, e em algumas delas não é permitido o consumo de nenhuma proteína animal, sendo liberada apenas ingestão de proteína vegetal.

Ocorre que a deficiência de proteínas pode prejudicar a própria detox, uma vez que vários aminoácidos são utilizados no decorrer do processo. Diante disso, é preciso estabelecer uma lista dos alimentos que não devem ser ingeridos, como carne vermelha e produtos industrializados. Todos os alimentos que sejam alergênicos e potencialmente inflamatórios costumam ser retirados do cardápio. Assim, compõem a exclusão, laticínios e alimentos que contém glúten, como por exemplo, trigo, aveia, cevada e malte.

De modo geral, os laticínios são removidos durante o detox. O leite e seus derivados, e o glúten são extremamente inflamatórios e alergênicos. Existem algumas pessoas que até conseguem ingerir esses alimentos em pequenas quantidades sem sofrer os efeitos negativos proporcionados por eles. Mesmo assim, essas variantes alimentares não são ideais para ninguém.

Ao ingerir produtos derivados do leite, as pessoas que são intolerantes à lactose podem apresentar flatulência, inchaço na região abdominal, e ocasionalmente, diarreia. Essa intolerância pode ser resolvida ao tomar lactase. Apesar de existirem muitos produtos que afirmam não conter lactose, esse elemento não é o responsável pela alergenicidade característica dos laticínios, na verdade, ela é oriunda da proteína presente no leite, enquanto que a lactose é apenas um tipo de açúcar da bebida.

A proteína do leite é excessivamente alergênica e pode até mesmo desencadear um processo denominado alergia cardíaca, do qual muitas pessoas sofrem e nem mesmo sabem que o possuem. Diferentemente das demais, essa alergia não se manifesta no momento da ingestão dos alimentos, os sintomas surgem cerca de 3 a 72 horas após o seu consumo.

Efeitos colaterais

Os sinais atribuídos a essa alergia são: desenvolvimento de dermatites (formação de pequenas saliências nos braços), cansaço, acúmulo de gordura (principalmente na região abdominal), olheira, memória ruim dores de cabeça, rinite, sinusite, bronquite, asma, amigdalite, e demais doenças análogas. A celulite também pode ser uma causa alérgica.

Naturalmente, cada indivíduo pode manifestar diferentes tipos de alergia, mas, no geral, os alimentos mais alergênicos são glúten, leite e soja. Muitas pessoas acabam substituindo o leite de vaca por derivados da soja, vale dizer que esta também é altamente alergênica.

O caráter alergênico desses alimentos é caracterizado pela presença de uma proteína de difícil digestão. Quando as moléculas dessa proteína não são degradadas de forma correta, surge a alergia. Desse modo, ao ingerir alimentos ricos nessas proteínas, o organismo tem grande probabilidade de manifestar algum tipo de alergia. Vale salientar que a predisposição para o aparecimento de alergias existe, mas o excesso de consumo pode contribuir consideravelmente para o processo alérgico. Por conta disso, é oportuno enfatizar que a alimentação precisa ser variada, a manutenção de um cardápio repetitivo pode conduzir o corpo ao desenvolvimento de alergias.

Para descobrir a quais alergênicos cada pessoa é suscetível, é preciso avaliar a sintomatologia do indivíduo e o que este, de fato, consome. Devido a isso, uma consulta pode se delongar bastante. Porém, também há um exame específico que mede o grau de alergia gerada por cerca de 300 alimentos.

Eliminação de toxinas pelo fígado

Transformar a toxina em substância hidrossolúvel é necessário, pois a principal via de eliminação é por meio da urina. Assim, o fígado trabalha em duas fases, e em ambas ocorre a captura de toxinas normalmente insolúveis em água, e sua transformação em compostos que possam constituir uma solução aquosa, a fim de que as substâncias indesejadas sejam eliminadas.

No entanto, existem outras formas de eliminação, por exemplo, através do suor, canal de eliminação de toxinas bastante eficaz. Devido a isso, no decorrer do período de desintoxicação, o indivíduo é orientado a fazer sauna, o que colabora sensivelmente para a extirpação de substâncias danosas. Outra maneira de intensificar o suor e, consequentemente, deslocar um volume maior de toxinas é praticar exercícios aeróbicos. O ar é outra via importante de desintoxicação, nesse caso, o destaque fica com as técnicas de ioga, que trabalham muito a respiração, ajudando o corpo a se livrar das toxinas.

Outra alternativa fácil de ser implantada por qualquer pessoa, é comprar uma bucha vegetal seca e esfregá-la sobre o corpo sem o uso de água. Com isso, os poros ficarão dilatados, facilitando a expulsão das toxinas. Em seguida, deve vir o banho com hidroterapia. Para realizá-la, o corpo deve ser submetido a 30 segundos de água extremamente quente. Depois desse intervalo, a temperatura da água deve ser excessivamente gelada durante o mesmo período, provocando um choque térmico. O processo deve ser repetido três vezes. A brusca alteração das temperaturas estimula a saída de toxinas através da pele.

 

 

 

Quando se fala em dieta de detoxificação, o foco recai sobre o fígado. Esse incrível órgão é responsável por eliminar as toxinas presentes no organismo. Nesse ponto, cabe destacar a importância dos odores químicos. Existem formas naturais de aromatização do ambiente, seja através da colocação de uma planta estrategicamente posicionada em frente a uma janela ou por meio da fervura de água com canela.

Apesar dos cheiros não poderem ser vistos, eles são compostos por moléculas que acabam indo parar na corrente sanguínea. Desse modo, não é recomendado o uso de aromatizadores artificiais, principalmente para pessoas que estejam passando por uma quimioterapia. Além dos odores, cabe ressaltar a presença nociva dos alimentos repletos de agrotóxicos.

Dotado de uma grande plasticidade, caso o fígado seja mantido em apenas 20%, os 80% restantes se regeneram. Cerca de 98% das toxinas assume a conformação espacial de gordura. O fígado é um filtro pelo qual passa a corrente sanguínea. Quando isso ocorre, o órgão tenta desmontar a gordura, transformando algo que era lipossolúvel em hidrossolúvel. Todo esse processo ocorre em duas etapas, chamadas de fase I e II de detoxificação, e o trabalho equivale à mudança de uma gota de óleo para água.

Após exageros no consumo de bebidas alcoólicas, o aconselhável é interromper a ingestão de álcool pelos próximos 30 dias. Isso porque a toxina do álcool é, de fato, a mais nociva dentre todas, e por essa razão, ela sempre será a primeira a ser eliminada pelo fígado. Logo, na fase posterior ao exagero, deve-se permitir que o organismo receba as demais toxinas.

Além disso, existe uma correlação entre essas toxinas e o emagrecimento. Quando o organismo não possui todos os nutrientes necessários para o bom funcionamento do fígado, o órgão se torna incapaz de excluir essas substâncias indesejáveis do corpo. Com isso, as toxinas acabam ficando estocadas no tecido gorduroso, e por essa razão, ocasionalmente, algumas pessoas têm dificuldade para emagrecer. Afinal, com o tecido adiposo repleto de toxinas, o fígado não consegue extrair todas e mandá-las para a excreção.

Leia mais acessando: http://dietasdetox.net.br/emagrecer

Todas as vezes que um organismo apresenta uma inflamação sistêmica, o fígado produz uma proteína de inflamação direcionada ao sangue, consequentemente, muitas pessoas acabam ficando com o nível de ferritina elevado, pois uma dessas proteínas poderá impedir a saída do ferro presente na ferritina. Contudo, a inflamação compromete esse processo, provocando a alta da concentração de ferritina, o que culmina no desenvolvimento da anemia. Portanto, é preciso ter atenção, uma vez que a ausência de ferro no organismo pode não se dever à falta do nutriente em si, mas sim à impossibilidade de se retirar o ferro da ferritina.

 

Existem itens utilizados diariamente que acabam soltando metais pesados. O caso clássico é o papel alumínio (o ideal é trocá-lo pelo papel manteiga), muito usado em várias receitas.

É impossível deixar de usar todos esses produtos. Mas, é exatamente para isso que existe o processo de desintoxicação realizado pela dieta detox, que deve ser comparada à uma faxina geral realizada em uma residência.

Dieta Detox Indiana

Dieta detox indiana

Na dieta detox indiana, a recomendação é para que o paciente siga o procedimento por um curto intervalo de tempo. Os objetivos são aperfeiçoar os processos metabólicos, estimular o caráter de autocura do organismo e o seu poder de expulsão daquilo que não é considerado natural.

Como fazer a dieta detox indiana

Para a medicina indiana, os temperos são tão importantes quanto os principais alimentos. Isso porque esses ingredientes ajudam a acelerar o metabolismo e funcionam como antídotos para as toxinas ingeridas. Alguns desses temperos são: semente de pimenta, cominho, coentro, cravo e canela. Basta tostá-los em uma panela aquecida e depois batê-los no liquidificador.

O suco verde composto por uma mistura de espinafre com cenoura também não pode faltar. No primeiro almoço da dieta detox indiana, o prato pode ser formado por arroz integral e legumes temperados com massala, por exemplo.

Quem adere a esse tipo de cardápio tende a sentir a ausência de sal e de sobremesas. Por conta disso, é preciso que haja muita disciplina para que o método seja levado até o fim.

Algumas pessoas só conquistam uma transformação de peso corporal significativa mediante uma grande mudança dentro de casa. Tudo começa na cozinha, na qual não devem entrar uma série de alimentos, como refrigerante e demais produtos industrializados. O ideal é substituí-los por legumes, frutas, sucos naturais, e verduras, muitas vezes até desconhecidas. Além disso, existe também a questão sobre a redução dos gastos com o supermercado, já que a retirada de ingredientes industrializados diminui consideravelmente o total da compra.

Isso demonstra que a dieta detox pode ser composta por itens de elevado valor agregado, mas igualmente ser formada por alimentos baratos. Ao adotar a dieta detox, o indivíduo acaba retornando aos primórdios, quando só existiam folhas e frutas.

Para facilitar, o adepto da dieta detox pode bater um pouco de couve fresca com água e verter a mistura em formas de gelo, obtendo assim cubos de clorofila congelada. O mesmo processo pode ser efetuado com a mescla de salsinhas e hortelã, além de descobrir novas receitas de suco verde.

Detox para Emagrecer

Atualmente, tem sido muito divulgado a procura das pessoas pela dieta ideal. Existe um ponto muito interessante dentro desse contexto, pois essa busca demonstra o quanto essas pessoas estão preocupadas em mudar seu comportamento. Elas entendem que há necessidade de encontrar um estilo de vida mais saudável.

Em contrapartida, existe o lado perigoso dessa tendência, que é seguir dietas de forma radical e sem orientação específica, haja vista que cada pessoa possui uma necessidade.

O problema da frustração com relação ao peso ideal é criar uma expectativa equivocada. Se o planejamento é praticamente inatingível, gerará desapontamentos. A sensação de fracasso começa com o desenvolvimento de perspectivas irreais.

De forma geral, com exceção daqueles que precisam perder peso em virtude de razões específicas, como no caso de atletas, as pessoas devem parar de sofrer em decorrência do peso que possuem. Em resumo, o importante é ter uma saúde plena, dormir e acordar descansado, ter energia durante o dia, uma mente com memória ativa, e uma saúde física com baixa composição de gordura. O mais relevante não é ter apenas um corpo leve, mas sim manter um porcentual baixo de gordura, pois essa sim pode ser nociva.

Um corpo saudável é reflexo de um metabolismo que trabalha bastante. Quanto maior for o volume corporal e a massa magra, mais alta será a taxa metabólica basal, que expressa a quantidade de energia requerida pelo organismo para ser consumida durante o repouso e manter o corpo nutrido. Quanto mais elevado for este indicador, mais dificilmente o indivíduo acumulará gorduras.

Aquele indivíduo que não pratica atividade física, não valoriza a musculatura e não se alimenta tendo em vista atingir esses objetivos, consequentemente possui um metabolismo mais lento. Assim, qualquer erro alimentar gera rapidamente um acúmulo de gordura, pois sempre acabará ocorrendo uma ingestão alimentar um pouco acima da mínima necessária.

Diante disso, o indivíduo não precisa ser necessariamente forte, ou corpulento, apenas se manter ativo. Essa atividade provoca um gasto diário tão elevado que a aglutinação de gorduras começa a ser dificultada mesmo quando existem erros cometidos de alimentação.

Possivelmente, a maior dificuldade seja a mudança radical da alimentação. Por outro lado, a perda de peso surge como uma grande motivação. E embora essa fator não seja o objetivo central de uma dieta detox, o método cria condições favoráveis para que o indivíduo conquiste o emagrecimento.

Uma vez finalizada a dieta detox, não existe necessidade de se repeti-la logo em seguida, o que poderá gerar uma queda da energia ou imunidade do organismo. O que se deve fazer após o procedimento é procurar manter um padrão de dieta. Ressalte-se que a dieta detox proporciona um organismo bem mais saudável e com metabolismo melhor. Assim, basta manter um padrão alimentar juntamente com a atividade física para conseguir perder peso.

Quem pretende perder peso não deve ter uma alimentação pautada exclusivamente no consumo de muitas frutas. Diante de uma dieta que contenha alimentos sólidos, almoço, café da manhã, jantar e lanches, enriquecê-la com frutas pode não ser tão interessante para aqueles que desejam emagrecer, afinal de contas, frutas contém frutose, um tipo de açúcar.

Por outro lado, é possível focar a ingestão de frutas de baixo índice glicêmico e que assim não prejudiquem o emagrecimento, pois liberam o açúcar mais lentamente. Bons exemplos são: ameixa, kiwi, morango e maçã. Também é importante evitar frutas que contenham elevado teor calórico, como manga, bananas, e uvas.

Dietas restritivas

Diferentemente da dieta detox, as dietas restritivas, em sua maioria, não produzem os efeitos benéficos esperados. Eventualmente, elas podem até proporcionar alguma perda de peso, mas se o indivíduo apenas optar por seguir uma dieta que esteja na moda e não tiver a consciência de como ele deverá viver depois disso, a prática da dieta tende a ser inútil, pois há grandes chances de haver ganho de peso no futuro. Isso ocorre quando as pessoas não aprendem o mais importante: a reeducação alimentar.

 

A mastigação é uma parte imprescindível dentro do processo de alimentação. Ao mastigar o alimento 30 vezes antes de engoli-lo, é praticamente impossível que alguém consiga terminar um dos pratos citados acima em menos de 30 minutos e ainda sem ter atingido um bom nível de saciedade. Atentando-se à mastigação, é improvável que o indivíduo sinta vontade de comer algo na sequência.

Além disso, vale enfatizar que existem estudos nos quais ficou comprovado que, independentemente do prato ser de sobremesa ou tradicional, o cérebro entende o total consumido como uma porção, proporcionando saciedade. Caso haja dificuldade em mastigar os alimentos 30 vezes, uma boa alternativa é trocar o garfo convencional pelo de sobremesa. Dessa forma, é possível montar o prato com uma quantidade inferior de comida, mas comer mais.

 

 

A dieta detox não foi feita para promover a perda de peso, apesar deste efeito surgir como consequência. Como a dieta equilibra o organismo, ajustando a tireoide e demais partes que estejam sendo prejudicadas pelas toxinas, a perda de peso será um dos resultados.

Pode-se afirmar que a dieta detox deve ser encarada como o início do processo de emagrecimento. Muitas vezes, um dos motivos pelos quais muitas pessoas, principalmente mulheres, se queixam por não conseguir perder peso é a existência de outros fatores que agem como obstáculos. Normalmente, eles estão associados às toxinas, comprometendo o funcionamento da tireoide, gerando constipação intestinal e interferindo na digestão. Existem casos nos quais as pessoas até passam a consumir produtos mais saudáveis, mas não conseguem digeri-los. A dieta detox impulsiona todo esse processo.

Como Fazer Dieta Detox

Devem ser retirados da dieta alimentos que contenham glúten (elemento contido da farinha de trigo que é de difícil digestão), lactose (açúcar do leite e derivados que gera um processo digestivo igualmente intrincado), além de alimentos industrializados, como enlatados, congelados, produtos com excesso de sódio, açúcares e adoçantes.

Para que não haja equívocos, basta se inspirar na alimentação de nossos antepassados. Eles consumiam produtos próximos da natureza, como legumes, verduras, grelhados, arroz e feijão. Todos esses elementos podem ser inclusos na alimentação, desde que estejam dentro da quantia ideal.

Essa dieta compreende o consumo dos chamados sucos detox, que ajudam o corpo no decorrer do processo de exclusão das toxinas. A bebida pode ser tomada duas ou três vezes ao dia. Basicamente, o suco poderá conter uma fruta, escolhida conforme a preferência, como laranja, limão, ou maracujá. Neste caso, a fruta deverá ser espremida diretamente no copo do liquidificador.

 

Como fazer a dieta detox?

A dieta detox consiste num método de limpeza do organismo. Para realizá-la, é necessário tomar algumas medidas. Ao todo, o programa é concluído em 21 dias, e já na primeira semana devem ser excluídos do cardápio alimentos como o leite e seus derivados, além de glúten, ovos, e qualquer alimento de origem animal. O mesmo se aplica aos alimentos embutidos e àqueles que contenham conservantes. Em vez disso, todos devem ser orgânicos, o que significa livres de toxinas. Como se trata de um processo de desintoxicação, os alimentos utilizados devem ajudar na eliminação das toxinas do corpo. Em média, em cinco dias, a dieta detox propicia uma perda entre 1,5 a 2 kg.

Reeducação alimentar

O detox não precisa, necessariamente, ser realizado antes do indivíduo efetuar uma reeducação alimentar. Entretanto, esse tratamento pode ser considerado como ponto de partida para uma dieta que proporcione a perda de peso, pois com o detox, os resultados poderão ser obtidos mais rapidamente.

O tratamento executado pelo detox confere uma motivação extra para o emagrecimento que virá no futuro, já que o indivíduo sai da referida dieta estimulado a manter o mesmo ritmo alimentar. Além disso, o detox tem como propósito ensinar o indivíduo a se alimentar melhor.

Finalizada a terapia, a pessoa poderá reintroduzir o pão no cardápio, mas a orientação é para que seja a versão sem glúten, o mesmo vale para os outros tipos de massas.

 

 

Dieta detox: o que é?

Detox é um nome inglês que corresponde a abreviação da palavra desintoxicação. A chamada dieta detox reúne grupos de alimentos que, juntos, têm a função de eliminar toxinas que o corpo acumula ao longo da vida.

 

 

 

Ninguém vive à base de detox, a menos que se trate de uma filosofia de vida. Desse modo, esse tipo de dieta existe apenas para que ela seja realizada durante um período específico, para que assim, posteriormente, o indivíduo inicie a fase de reeducação alimentar.

Quem experimenta a dieta detox pela primeira vez, em sua maioria, admite que trocar os alimentos aos quais estava acostumado pelo suco verde e demais pratos, como um almoço constituído por arroz integral, lentilha, inhame (que detém elevado poder desintoxicante) e salada de rúcula é uma tarefa árdua. Já para aqueles que já consumiam alimentos desintoxicantes há algum tempo, essas opções alimentares, como peixes assados, salada e temperos frescos, são encaradas com maior naturalidade.

A dieta detox pode ser feita em casa. No entanto, alimentos que têm como função limpar o organismo costumam ser ausentes nos pratos de grande parte das pessoas, como couve, brócolis, frutas vermelhas, sementes (linhaça, e chia, por exemplo), castanhas e quinoa. Trata-se de uma alimentação natural, ou seja, sem conservantes, corantes e outros produtos químicos. Além disso, o detox não é direcionado exclusivamente a pessoas quem comam carne, pois mesmo os vegetarianos não estão livres das toxinas.

Para desintoxicar o organismo, o primeiro passo é retirar do armário produtos que sejam industrializados. Quanto mais verduras, legumes, grãos e sementes, mais saudável tende a ser a alimentação. Assim, basicamente deve-se priorizar os produtos que venham da feira.

Atualmente, há tipos de carnes que recebem quantidades exorbitantes de hormônios, o que as transforma em uma perigosa fonte concentrada de toxinas. Infelizmente, o salmão de cativeiro adquirido nos dias atuais recebe doses hormonais a um ponto em que o nível de ômega-3 presente se torna inócuo.

Tipos

Existem vários tipos de dietas desintoxicantes. A dieta detox tradicional, por exemplo, não contém lactose, glúten, e proteína de origem animal. Em outras palavras, não se deve consumir leite e derivados, alimentos à base de farinha de trigo, cevada e aveia, além de nenhuma carne.

 

 

Dieta detox: o que é

Ao analisar a alimentação atual, é possível notar excesso de hormônios, acidulantes, corantes e emulsificantes. Antigamente, não costumava-se utilizar tantas substâncias nocivas  ao organismo. A dieta detox promove a desintoxicação do fígado e do intestino, contribuindo para o equilíbrio do funcionamento do corpo.

O método alemão Buchinger foi adaptado para o Brasil. Os alemães seguem esse padrão alimentar durante um intervalo que vai de 7 a 14 dias. No Brasil, o método foi alterado para apenas sete dias. Nos três primeiros dias, a alimentação é composta basicamente por sucos e demais líquidos. Ao longo dos demais dias é ampliada a consistência dos alimentos. Aqueles que já possuem o hábito de praticar atividade física são orientados a diminuir a intensidade desses treinamentos, além de consumir um tipo de carboidrato (preferencialmente batata doce, ou mandioca) nos 30 minutos antecedentes ao exercício.

No decurso da dieta detox deve-se buscar consumir alimentos saudáveis, orgânicos, e naturais, tentando variar todos durante a semana, e sempre associar a clorofila, substância que tem a capacidade de limpar as mucosas intestinais.

Efeitos colaterais

Como o referido método exige a retirada de diversos alimentos que serão reintroduzidos no cardápio gradualmente, é possível que surjam alguns efeitos colaterais, como aumento da flatulência, e distensão abdominal, por exemplo.

Ao adotar a dieta detox pela primeira vez, é normal que ocorram dificuldades de adaptação. Assim, os iniciantes tendem a apresentar dores de cabeça e fome, obstáculos para a sustentação da dieta durante o período de sete dias.

Na dieta detox, retiram-se todos os alimentos industrializados, o glúten, a lactose e derivados, tentando estabelecer uma semana alimentar completamente embasada em alimentos orgânicos (vegetais livres de toxinas). Finalizada a detox, é preciso tentar manter o melhor estilo de vida possível, e eventualmente, duas vezes por ano repetir o processo.

Pós dieta detox

Haja vista que depois da detox o indivíduo passou por um processo de desintoxicação e de limpeza, não é admissível que no dia seguinte ele consuma alimentos industrializados, ou prepare um determinado prato com temperos industrializados repletos de sódio e corante. O padrão alimentar proposto pela dieta deve ser mantido pelo maior tempo possível, e é preciso procurar se manter distante de lactose e derivados, glúten e alimentos industrializados e refinados. Nesse momento, o objetivo é tentar manter uma alimentação mais saudável à base de legumes, carnes grelhadas, e praticar atividades físicas.

 

 

Detox: o que é

Na verdade, detox é um processo fisiológico que já ocorre naturalmente no organismo de todo mundo, assim como a digestão, visando eliminar toxinas do organismo. Tudo o que não possui uma função específica e pode causar algum dano ao organismo recebe a classificação de toxina. O corpo humano está exposto a elas a partir do nascimento, assim, precisa encontrar uma maneira para excluir esses elementos indesejáveis, e um dos principais órgãos envolvido nessa tarefa é o fígado.

A detox é um tratamento que tem como objetivo conceder um repouso ao fígado e ao organismo no que se refere à presença de toxinas. Asso, a terapia visa diminuir ao máximo a exposição às substâncias nocivas. Para isso, deve-se adotar um cardápio prioritariamente orgânico, sem a incidência de agrotóxicos. Caso seja impossível manter um cardápio 100% orgânico, seja pelo preço elevado ou em virtude da dificuldade de encontrar determinados alimentos, deve-se chegar ao valor mais próximo desse número.

Basicamente, a dieta detox consiste na eliminação da carne vermelha, açúcar e produtos industrializados, desde o refrigerante até o pacote de salgadinhos. Todos esses alimentos devem ser substituídos por legumes, verduras, grãos, cereais e sementes.  Os peixes também devem compor o cardápio, a exceção é o atum, frequentemente contaminado por mercúrio, além do cação e peixes de grande porte, que também exibem um elevado grau de contaminação.

Com relação ao frango, ele só está liberado desde que seja possível adquirir aqueles criados sem a administração de hormônios e antibióticos. Antigamente, o frango levada seis meses para ficar pronto para ser abatido, já nos dias atuais, o processo foi reduzido para cerca de três semanas. Os hormônios e antibióticos contidos na carne desses animais podem alterar o sistema hormonal do organismo humano.

O período da dieta detox pode variar entre 7 e 30 dias, mas, é comum que um intervalo longo seja interrompido. Isso pode ocorrer por motivos diversos, como a melhora satisfatória do organismo já percebida pelo indivíduo ou a dificuldade em seguir o método devido a determinadas peculiaridades, como a de se alimentar bem fora de casa.

Tipos de dieta detox

Devido à popularização da dieta detox, foram criadas diversas variações que, em tese, possuem a mesma função desintoxicante. Dois exemplos são o detox da sopa, e a dieta que prioriza o jejum total. Esses modismos não possuem base científica, mas o conceito original sim.

Durante o processo de desintoxicação efetuado pelo fígado, existe o envolvimento de uma série de nutrientes, incumbidos da tarefa de converter as toxinas lipossolúveis em hidrossolúveis. Assim, considerando a atuação de todos esses elementos, é incoerente imaginar que um jejum completo possa proporcionar uma desintoxicação correta.

Seguindo essa linha de raciocínio, a sopa é uma refeição pobre no que tange à concentração de nutrientes. Basta comparar a nutrição propiciada por esta alimentação com a fornecida pelas castanhas, nozes, leguminosas, chá verde e tantos outros alimentos. Desse modo, é impossível imaginar que uma simples sopa possa ser tão potente a ponto de ser a única refeição do dia.

Em contrapartida, com o intuito de não sobrecarregar muito o sistema digestivo, no primeiro dia de uma dieta, faz sentido priorizar o consumo de refeições predominante líquidas. Porém, neste caso, a base nutricional necessária ao corpo deve ser mantida. A diferença é que os elementos ganharão uma forma líquida. Desse modo, os alimentos chegarão ao estômago pré-digeridos.

 

 

O que é

A dieta detox auxilia o organismo a excretar algumas substâncias tóxicas, chamadas de xenobióticos. Assim, a referida dieta estimula o processo de limpeza, que ocorre predominantemente no fígado, apesar disso, as células detox estão presentes em todo o organismo, cerca de 60% delas estão localizadas no fígado, enquanto que 20% são encontradas no intestino.

O objetivo da dieta detox é transformar essas toxinas em substâncias excretáveis. Dentro do organismo, elas assumem uma forma que impossibilita sua exclusão. Na detox, os referidos compostos sofrem uma biotransformação para que, finalmente, possam ser excretados pelas fezes, urina e suor.

Existem situações nas quais a dieta detox pode ser realizada mais do que duas vezes ao ano. Além dos indivíduos que têm a síndrome do intestino irritável, as pessoas que trabalham constantemente com tinta em ateliê, ou em empresas nas quais elas manuseiam produtos químicos, ou que contenham metais pesados, também estão extremamente inflamadas e intoxicadas. Logo, elas devem realizar a detox mais vezes ao longo do ano.

A dieta detox não limita as quantidades de consumo dos alimentos. As restrições são orientadas aos pacientes que costumam comer em grande volume ou que apresentem uma compleição mais elevada. Mesmo assim, como todos eles comerão muita fibra, dificilmente haverá exageros, pois esses nutrientes ampliam a saciedade.

Pessoas que têm compulsão alimentar também são indicadas a fazer a dieta detox, pois geralmente possuem um grande nível de intoxicação. A celulite, por exemplo, é um forte indício de intoxicação. Ao realizar a dieta, a compulsão tende a ser amenizada.

Como se trata de uma dieta restrita, os suplementos acabam sendo imprescindíveis. Seguindo a mesma linha de raciocínio, vale lembrar que os probióticos, que têm a função de melhorar a flora intestinal, ao lado do ômega-3, além das vitaminas, minerais e aminoácidos, desempenham um papel extremamente importante pelo fato do consumo de proteína estar restrito, principalmente durante a fase B da dieta detox.

Normalmente, durante a primeira ou segunda semana da dieta, já é possível começar a notar os benefícios. O funcionamento intestinal tende a melhorar muito, assim como a parte digestiva. Com isso, quem tem queixas de azia, queimação, ou refluxo gástrico percebe uma amenização considerável do problema. A disposição é aumentada, ao passo que a pele adquire uma viscosidade diferente.

No entanto, é preciso ter paciência, pois se o indivíduo estiver fazendo uma detox de 21 dias, por exemplo, e sentir os benefícios durante a primeira e segunda semanas, ele poderá querer interromper o processo.

Nenhuma dieta detox é igual para todas as pessoas. Indivíduos alérgicos a oleaginosas, por exemplo, obviamente não poderão consumi-las. Os alimentos potencialmente alergênicos, como glúten, leite e derivados, e soja também devem ser excluídos, independentemente de haver ou não intolerância a qualquer um deles.

No período B da dieta são retirados os ovos, peixes e leguminosas, deixando a dieta ainda mais restrita. É por essa razão que o uso de suplementos alimentares acaba sendo extremamente importante. A dieta detox não é necessariamente líquida, e nem é tão fácil como muito se divulga, relacionando-a simplesmente ao consumo de sucos.

A dieta detox pode ser feita a cada seis meses, principalmente depois de períodos como carnaval, festas de final de ano e demais casos em que haja maior probabilidade de exageros na alimentação. Fazer o procedimento depois de uma viagem onde o indivíduo comeu alimentos dos quais ele desconhece a origem também pode ser muito interessante.

O período da dieta é dividido entre A e B, que se intercalam. Dessa forma, existem alimentos importantes para serem utilizados durante o período A. Depois, inicia-se o período B, e em seguida, retoma-se o período A. Durante a fase inicial do primeiro período, são consumidos muitos vegetais, preferencialmente orgânicos devido ao excesso de agrotóxicos presentes nos demais.

Tipos de dieta detox

Existem muitas dietas detox que estão na moda, como as de determinados sucos que têm duração de três dias.

Contraindicações

A dieta detox deve ser feita, em média, uma ou duas vezes ao ano e ainda assim quando houver indicação. Ela também contém algumas restrições, sendo contraindicada para gestantes e pessoas que fazem uso de medicamentos quimioterápicos. Além disso, o ideal é que o tempo de duração seja de 6, 15, ou 21 dias.

Quem tem síndrome do intestino irritável (SII) é aconselhável fazer a dieta detox. Porém, é preciso observar se o órgão está em uma fase muito inflamada, a qual esteja provocando diarreias frequentes. Isso porque o uso excessivo de vegetais, por conta das fibras, pode acabar soltando ainda mais o intestino. Portanto, deve-se esperar passar o processo amplo de inflamação para iniciar a dieta. O método é interessante para esses casos porque a dieta detox ajuda a recolonizar toda a flora intestinal, chamada de microbiota. Com isso, diminui-se o processo inflamatório e repõe-se a concentração das bactérias benéficas para o organismo, chamadas de probióticas. Como o consumo de pré-bióticos é incentivado através dos vegetais, há um aumento do processo digestivo, importante para as pessoas que possuem a síndrome do intestino irritável, uma vez que elas têm consideráveis perdas nutricionais.

Cardápio Detox

Existe um caldo grosso no detox preparado com cenoura e chuchu. Trata-se de um creme muito concentrado. O hábito de temperar é muito valorizado durante a dieta, que utiliza bastante alho poro, pimentas, alho, cebola e mais uma série de outros elementos termogênicos. Todos eles devem ser explorados conforme o paladar de cada um. Desse modo, é completamente válido ralar um pouco de gengibre na salada, por exemplo. Portanto, o segredo dos pratos é variar a utilização dos temperos, que conferem sabor e ajudam a diminuir a quantidade de sal necessária.

Café da manhã

Seguindo as recomendações médicas, todos podem fazer o detox em casa. O café da manhã pode ser composto, por exemplo, apenas por um suco verde. Uma das receitas da bebida possui couve, gengibre, agrião, hortelã, maçã, pepino, e cenoura. Esses sucos são muito poderosos quando consumidos logo pela manhã em jejum, aprimorando o funcionamento hepático. É muito importante cuidar bem das vias de desintoxicação.

Convém ressaltar que os ingredientes do suco detém um valor calórico relativamente alto. Eles precisam passar por um processador de alimentos a fim de que somente o sumo da fruta e dos legumes sejam extraídos. Esse detalhe é importante, já que se eles forem batidos no liquidificador o suco poderá não ficar palatável.

Durante a primeira semana, deve ser mantido o mesmo consumo de suco verde para aprimorar as funções desempenhadas pelo fígado, promovendo a desintoxicação hepática. O intestino e os rins também são o foco inicial do tratamento, uma vez que o objetivo, neste momento, é acelerar as vias de eliminação das toxinas.

Almoço

Salada

Na entrada do almoço, uma opção de cardápio inclui alfafa, alface e tomate cereja. O azeite, se utilizado, deve ter origem orgânica. O sal também está liberado, desde que utilizado em quantidades bem reduzidas, pois o excesso de sódio favorece a retenção de líquidos no corpo. Portanto, quanto menor for a quantidade de sal utilizada, melhor será para o organismo.

Prato principal

Depois da salada como entrada, surge o prato principal, o qual deve proporcionar uma alimentação dotada de mais sustância. Uma opção de refeição é rechear uma abóbora com quinoa, vegetal que apresenta a concentração mais próxima da proteína animal. Além disso, a quinoa não contém glúten e ainda é rica em fibras, prestando um grande auxílio para o intestino. Soma-se a isso a alta dosagem de determinadas propriedades, como potássio, magnésio, vitaminas do complexo B e ferro. Em tese, esses alimentos devem proporcionar calorias suficientes para o bom sustento dos indivíduos que adotarem a dieta detox.

A primeira semana geralmente é a mais complicada. Normalmente, a dieta tem início em uma segunda-feira, ou seja, após um fim de semana no qual, possivelmente, o indivíduo consumiu alimentos com os quais estava acostumado desde então. Assim, o primeiro dia provoca um choque alimentar, que permanece até a terça-feira. Porém, depois essa sensação acaba se dissipando.

Lanche da tarde

Uma sugestão é o abacaxi assado com canela e lascas de amêndoas. As frutas sempre devem ser assadas ou cozidas visando facilitar a digestão. Quando esse tipo de alimento está cru, o organismo é induzido a executar mais processos para conseguir concluir a digestão. A dieta detox ostenta uma filosofia que preza pela tranquilidade dos mecanismos internos do corpo. O organismo precisa trabalhar sem ser sobrecarregado.

O abacaxi assado poderá ser substituído por pera cozida no vinho e com agar-agar, gelatina natural que melhora a sensação de saciedade. Outras alternativas são a banana e a maçã. As frutas ácidas não devem ser consumidas porque atrapalham o funcionamento do metabolismo.

 

 

Sucha detox

O suchá detox é uma mescla de suco natural de frutas com ervas usadas para infusão. O método promete limpar profundamente o organismo, além de hidratá-lo.

O suchá pode ajudar pessoas que exageraram no fim de semana. Entretanto, é fundamental que seu consumo seja aliado a um bom estilo de vida. Em outras palavras, não adianta realizar uma dieta detox e utilizar sal em excesso na hora de cozinhar ou não efetuar exercícios físicos, por exemplo. Desse modo, essa dieta tem a função de colaborar para a manutenção de um estilo de vida saudável.

 

 

 

Dicas de pratos

Com relação à montagem dos pratos, existem várias possibilidades. Uma delas pode incluir arroz 7 grãos, feijão, frango grelhado, berinjela grelhada, legumes variados refogados, e salada mista com um fio de azeite. Esse tipo de arroz é muito interessante porque contém diversos grãos, sendo que cada um deles possui nutrientes. Além da versão 7 grãos, vale a pena experimentar o  arroz negro e o vermelho.

Outra alternativa de prato saudável pode ser formado por arroz, feijão, carne, salada de brócolis com tomate, pepino, alface, cenoura, e beterraba ralada temperada com azeite, sal, e balsâmico. O tomate que aparece na salada deve sempre ser orgânico, seja a versão cereja ou não. O brócolis, neste caso, desempenha o papel de minimizar os impactos causados pela carne vermelha grelhada, não há necessidade abolir o seu consumo, mas, cabe lembrar que a versão cozida, ou assada, é mais saudável que a grelhada, a qual acaba liberando algumas nitrosaminas, que são compostos cancerígenos.

A variedade de pratos saudáveis é grande. Outra versão inclui um escondidinho de baroa com biomassa de banana verde, ovo mexido com caule de espinafre, salada de pepino com tomate e couve. Um dos pontos interessantes desse prato é a couve, que compõe um dos alimentos que participam do processo de detoxificação do fígado.

Além disso, a biomassa de banana verde desacelera o processo de transformação dos demais alimentos em glicose, já que todos passarão a exibir um índice glicêmico mais baixo. A biomassa também é altamente resistente e serve de alimento às bactérias benéficas do intestino. Após a fermentação, essas bactérias produzirão uma substância chamada ácido butírico, que é liberado na corrente sanguínea e segue para o fígado e, assim, contribui para a diminuição do colesterol.

Dieta Detox: Alimentos que Devem ser Evitados

Tudo o que for refinado, como farinha branca, açúcar, e sal, deve ser evitado. Desse modo, caso o sal seja usado, ele deve ser marinho, o qual passa por uma quantidade reduzida de processos. Na mesma linha de raciocínio, o açúcar deve ser orgânico.

Durante a primeira semana, também é importante salientar que o arroz integral deve ser temporariamente excluído do cardápio. Nesse período, os únicos carboidratos permitidos são os de cadeia simples, oriundos do consumo de frutas e legumes. A miniabóbora usada para receber o recheio de quinoa no almoço, por exemplo, é repleta de carboidratos. O mesmo vale para a cenoura. Por conta disso, o equilíbrio sempre deve estar em pauta, pois do contrário, poderá ocorrer ganho de peso.

A vida do paciente é facilitada a partir da segunda semana, quando é introduzida a proteína branca. Nesse segundo intervalo, é possível fazer as refeições fora de casa ao pedir salada e um grelhado. Na terceira semana, são liberados os alimentos integrais, proteína vermelha (ingerida duas vezes na semana), ovos e laticínios.

Entretanto, o leite de vaca tradicional deve ser substituído por aquele proveniente do arroz e das amêndoas. O sabor destas duas variedades é completamente diferente do convencional, ao qual o ser humano é condicionado a tomar desde pequeno. Algumas pessoas defendem que o leite tradicional de vaca não deve ser consumido por ser alergênico. De fato, alguns pacientes percebem o desenvolvimento de alergias quando do consumo deste alimento. O leite de arroz pode, por exemplo, ser batido com uma fruta no café da manhã. Já o leite de soja não possui o mesmo efeito. Com o passar dos dias, o indivíduo poderá ir melhorando seus hábitos alimentares.

 

Durante a dieta detox, o indivíduo deve retirar tudo o que mantiver a intoxicação em um nível que seja prejudicial ao organismo. Assim, devem ser excluídos os produtos industrializados (repletos de corantes, conservantes, e similares). Afinal, o intuito da dieta é aprimorar o trabalho do fígado, e não sobrecarregá-lo com mais toxinas.

Outro detalhe importante é investir em uma alimentação mais próxima da natureza, pois é dela que advêm todos os 44 tipos de nutrientes diários necessários ao ser humano. Um bom exemplo de fonte alimentar natural é o suco de couve, que deve ser tomado logo pela manhã, pois é puramente detoxificante.

Seguindo a mesma linha de raciocínio, o indivíduo deve procurar saber qual é a origem das proteínas que está ingerindo. Isso porque esses nutrientes sempre têm gordura embutida. Vale observar que, assim como o corpo humano estoca toxinas no tecido gorduroso, o mesmo ocorre com o corpo dos animais. Isso significa que todo o remédio e pasto não orgânico consumidos por ele, ficarão armazenados no tecido adiposo, que será posteriormente ingerido pelas pessoas. Daí a importância de conhecer a procedência das proteínas.

 

 

Carne vermelha e frango não devem ser consumidos, assim como leite e derivados. Também são excluídos da dieta alimentos ricos em farinha branca, gordura trans, enlatados, excesso de condimentos, frios, embutidos (por exemplo, linguiça e salsicha), alimentos ricos em corantes, alimentos com aromas artificiais, e que contenham glutamato monossódico (presente no molho de soja). Todos esses alimentos são excluídos do período A da dieta, que deve durar cerca de 3 a 7 dias. Depois, tem início a fase B da dieta.

Durante a dieta detox, também não devem ser consumidos manteiga, açúcar, bebidas alcoólicas e café. O único óleo liberado é o azeite extra virgem. De um modo geral, a cafeína deve ser excluída, mas o chá verde, que também é uma fonte da substância, deve ser consumido porque contribui significativamente para o processo de detoxificação.

Alimentos Detox

Além de serem importantes para refogar os alimentos durante o preparo de diversos pratos, é interessante aprender a valorizar as ervas como elementos usados em sucos. Um bom exemplo é a receita que utiliza de forma conjunta couve, abacaxi, e gengibre.

Existem diferentes combinações nutricionais funcionais que conseguem proporcionar um bom efeito de desintoxicação. Algumas técnicas sugerem a mescla dos nutrientes presentes em cada grupo alimentar a fim de ampliar a disponibilidade dessas substâncias benéficas para o organismo.

Um bom exemplo, tendo em vista o carboidrato, é a junção do arroz com feijão, consumidos simultaneamente com suco de laranja. Esta fruta cítrica ajuda na absorção do ferro presente no feijão, e promove uma maior biodisponibilidade.

O ideal é ter uma dieta bastante equilibrada, composta por alimentos coloridos e funcionais. Os nutrientes precisam ser bem combinados para potencializar o poder de absorção do organismo. Além disso, a variedade alimentar diária também é extremamente importante, haja vista que o hábito de ingerir os mesmos alimentos pode, a longo prazo, provocar intolerância alimentar.

Limão, abacaxi e goiaba

As frutas cítricas são capazes de promover a desintoxicação pela urina. Esses alimentos podem eliminar alumínio, chumbo e cádmio. Além disso, é preciso lembrar que, embora algumas variedades de frutas sejam originalmente cítricas, ao entrarem em contato com o estômago elas se tornam alcalinas. Este é o caso do limão e do abacaxi. Já a goiaba é uma fruta alcalina, característica mantida mesmo após o seu consumo, além de rica em antioxidantes e elementos importantes para a extirpação de metais pesados do organismo.

Gengibre e manga

Existem algumas técnicas nutricionais que têm o intuito de acelerar o metabolismo e, assim, eliminar toxinas presentes no interior dessas células de gordura, chamadas de adipócitos. A presença de toxinas nessas células ocorre devido a determinados processos inflamatórios. Em conjunto com o gengibre, a manga tem a ação de acelerar o metabolismo.

Fibras

As fibras são igualmente eficazes na remoção de toxinas, bem como as castanhas – principalmente a castanha-do-Pará, rica em selênio, zinco e cobre – e pistaches, ricas em ômega 3. Além do poder de eliminar toxinas, estes alimentos ajudam a diminuir os sulcos característicos das rugas. O recomendável é consumir de 1 a 3 castanhas diariamente.

Pimenta do reino vermelha

Dentre todo esse conjunto de alimentos, a pimenta-do-reino vermelha ganha destaque devido à sua capacidade de acelerar os processos metabólicos. Do mesmo modo que ervas, como manjericão, hortelã, e salsinha, essa pimenta pode incrementar os pratos, atuando como um incrível tempero.

Salsinha

Com relação à salsinha, apenas uma pequena porção possui mais vitamina C que 3 laranjas. O suco de salsinha e de outros vegetais são também recomendados para desintoxicação do organismo.

Minerais e ervas

A combinação entre zinco, cromo, e cobre, por sua vez, é eficaz na desintoxicação de um organismo contaminado por chumbo e alumínio. Essas três substâncias podem ser encontradas em cápsulas de vitaminas, melão cantaloupe e alho. Já o aspargo é uma excelente fonte de zinco, magnésio, e cobre. Ainda sobre as ervas, além dos fatores funcionais, grande parte delas são extremamente saborosas e saudáveis.

Melancia

A melancia é uma fruta altamente concentrada em magnésio, razão pela qual é extremamente recomendada no período da TPM, fase na qual a mulher sofre perda desse nutriente.

Sobremesa

Em vez de consumir a sobremesa logo depois de um prato principal, o ideal é que ela seja ingerida duas ou três horas após as refeições. Se consumida desta forma, a sobremesa gera um ganho de peso menos significativo.

Mostarda em grãos

A mostarda em grãos contém uma pequena quantidade de zinco. Esse tipo de mostarda é muito utilizada como tempero, e juntamente com as ervas pode acrescentar mais sabor e nutrientes aos pratos.

Suplementos vitamínicos

Os suplementos vitamínicos, desde que sob supervisão médica, também podem compor a dieta. Eles são indicados devido ao seu auxílio na absorção de nutrientes, os quais nem sempre são aproveitados pelo organismo como deveriam. Soma-se a isso o fator do pH sanguíneo. O sangue necessita ser alcalinizado para que todos os nutrientes sejam devidamente incorporados ao organismo. Ao lado da alcalinização da corrente sanguínea, é fundamental manter a boa saúde do intestino, órgão também responsável por eliminar as toxinas do organismo. Quando esse órgão está lesionado, as toxinas acabam se espalhando pelo corpo.

Moyashi

O moyashi, que é um broto de feijão, pode ser consumido, por exemplo, com carne moída. Além disso, é uma excelente fonte de minerais, substâncias primordiais durante o processo de eliminação de toxinas. Aliar o moyashi com pimentão acelera o metabolismo.

Abóbora

Todos os tipos de abóboras são benéficas devido a serem ricas em compostos antioxidantes, colaborando para o rejuvenescimento, característica que pode ser realçada com a adição do pimentão.

Gergelim e linhaça

O gergelim possui microminerais, os mesmo encontrados na mostarda em grãos, e na linhaça dourada, que por sua vez agem no trato intestinal, além de serem fontes de zinco. A linhaça pode ser consumida sobre frutas, tanto em grãos ou ainda na versão em pó. Uma sugestão de consumo é comer linhaça triturada no café da manhã com frutas e mel. Como o interior dessa semente contém um óleo, o mais recomendado é que ela seja consumida triturada. Na armazenagem, deve-se guardar a linhaça em um recipiente preto para que ela não sofra oxidação.

Bebidas

Chá de camomila

Em relação às bebidas, o chá de camomila é um alimento digestivo, além de poder proporcionar um poderoso efeito calmante.

Chá verde

Outra bebida de destaque é o chá verde, benéfico por conter nutrientes antioxidantes. O chá verde melhora a digestão e tem o poder de queimar a gordura acumulada durante a alimentação, vale mencionar que o baixo número de obesos na população japonesa se deve em partes ao consumo desta infusão. Além do que, quanto à coloração dos alimentos, quanto mais intensa for a cor verde, mais vitaminas eles deverão conter. Esse conceito sobre as cores também vale para os vegetais folhosos.

No entanto, como costuma ocorrer com diversos alimentos, o consumo em excesso de chá verde pode ser prejudicial à saúde. O ideal é que seja consumida uma xícara quente da bebida logo após as refeições. O calor típico dessa infusão consegue bloquear a absorção de gordura pela corrente sanguínea depois de cada refeição.

Associada ao gengibre e ao chá verde, a canela pode propiciar uma beleza sem igual à pele, para obter esses benefícios, basta fazer uma mistura envolvendo um pequeno pedaço de gengibre, uma unidade de canela em pau, e uma porção mínima de chá verde, o qual por sua vez também ajuda a eliminar rugas.

Leite de cabra

Para algumas pessoas, o leite tradicional de vaca causa intolerância alimentar. Assim, uma dica importante é substituí-lo pelo leite de cabra, o qual compõem uma molécula menor, facilitando em sua quebra no processo digestório. Vale mencionar que ferver o leite também ajuda no processo de quebra dessas moléculas, o ideal é que a fervura ocorra no chamado “banho Maria”, dessa maneira, as moléculas serão partidas e mais facilmente digeridas, deixando de gerar toxinas que poderão vir a sofrer fermentação.

Chá de gengibre

Quem tem intolerância à lactose pode consumir chá de gengibre, excelente para tratar o problema, além de ser antigases, digestivo, e acelerar o metabolismo.

Iogurte

O iogurte é, certamente, um ótimo alimento. No entanto, é necessário observar o teor de gordura da variação que se pretende consumir, hábito que deve ser repetido com todos os outros alimentos. Outro cuidado se refere à dosagem diária do iogurte, a qual não deve ultrapassar uma unidade por dia. Preferencialmente, essa dose deve ser ingerida logo pela manhã.

Combinações que devem ser evitadas

Por outro lado, existem determinas combinações que devem ser evitadas. Por exemplo, não é recomendado mesclar massas com proteínas, uma vez que as massas são ricas em carboidratos. Outro problema é o hábito de tomar café após as refeições, essa bebida, embora digestiva, pode comprometer a absorção de ferro.

Cabe observar que algumas combinações de alimentos podem ser benéficas para algumas pessoas, ou prejudiciais para outras. A carne seca, por exemplo, pode ser consumida sem grandes problemas em alguns casos.

Diante disso, é possível dizer que, em vez de restringir o consumo de certos alimentos, é mais interessante priorizar sua ingestão em momentos adequados e, principalmente, inseridos em combinações corretas.

 

 

 

Biomassa de banana verde

Outra alternativa é o preparo de biomassa de banana verde, estimulando o desenvolvimento de bactérias boas do intestino, que impedem a entrada de toxinas. Para obter essa biomassa, basta cozinhar a banana verde por 25 minutos, amassá-la, e conservá-la na geladeira. Ela pode ser misturada à sopa, molho de tomate, ou até mesmo ser ingerida com um pouco de canela.

 

 

Alimentos detox

A dieta detox é rica em alimentos diuréticos, o que provoca uma perda considerável de líquidos, e não propriamente de gordura. Sabe-se que o saudável é perder cerca de 1 kg de gordura por semana. Seguindo esse raciocínio, a perda de 3 kg de gordura somada à eliminação do excesso de líquidos tende a manter o organismo igualmente saudável.

Além da adoção dos alimentos detox, é necessário compor uma dieta que contenha elementos ricos em proteínas. Os primeiros devem servir de base para o cardápio, mas devem ser acompanhados por outras fontes alimentares. Um bom exemplo é o consumo de frango grelhado, seguido de um pedaço de melancia como sobremesa.

Com relação ao emagrecimento proporcionado pela dieta detox, essa é uma questão que depende do valor calórico total presente. Dessa forma, se o indivíduo montar um cardápio constituído por alimentos classificados como detox e com total de calorias inferior ao montante calórico eliminado pelo organismo, o emagrecimento será uma consequência.

Por fim, cabe enfatizar que a inclusão de alimentos detox na dieta alimentar pode ser realizada até mesmo por aquelas pessoas que não desejam emagrecer, pois esse hábito fará toda a diferença na eliminação das toxinas no organismo.

Também conhecida como dieta desintoxicante, a dieta detox faz uma faxina geral no corpo, eliminando toxinas, como medicamentos, gordura e conservantes. Essas substâncias podem ser adquiridas através do consumo de alimentos industrializados (repletos de corantes) e antibióticos.

Por outro lado, existem determinados alimentos que podem ajudar o organismo a eliminar essas toxinas. Ao manter uma dieta que priorize alimentos que auxiliem na desintoxicação organismo, e também evitar o consumo de alimentos que prejudiquem o processo, o resultado será ainda melhor.

Abacaxi

Dentre os alimentos incluídos na dieta detox está o abacaxi. Essa fruta detém uma substância chamada bromelina, que auxilia na digestão de proteínas. Assim, os exageros cometidos no almoço, por exemplo, podem ser suavizados se forem seguidos de uma sobremesa de abacaxi. Melhor ainda será se a fruta for utilizada para preparar um suco com algumas folhas de hortelã.

Arroz integral

Já o arroz integral é riquíssimo em fibras. Logo, ao consumir um filé de carne com esse tipo de arroz, a digestão das gorduras presentes na fonte proteica será facilitada. Além disso, tudo que aprimora o funcionamento intestinal, devido à concentração de fibras, também compõem um processo de detoxificação. Afinal, isso faz com que as toxinas do aparelho digestivo sejam igualmente eliminadas.

Maçã

A maçã, por sua vez, limpa as cordas vocais, sendo muito interessante principalmente para aquelas pessoas que trabalham constantemente com a voz. Essa fruta também é rica em pectina, tipo de fibra que se liga às moléculas de gordura, expulsando-as do organismo. Para obter este benefício, basta consumir de uma a duas maçãs diariamente. Além disso, a maçã é um lanche facílimo de ser transportado, sendo uma ótima opção para quem não dispõe de muito tempo para consumir alimentos no meio da tarde.

Melancia

A melancia é uma fruta extremamente diurética e doce, o que a torna uma sobremesa perfeita.

Laranja

A ingestão da laranja deve ser totalmente valorizada. Além do suco, o bagaço também precisa ser aproveitado, pois essa parte da fruta ajuda a conduzir a gordura para fora do corpo, de modo análogo ao que ocorre após o consumo da maçã.

Existe uma vaga ideia sobre a suposta influência da laranja no desenvolvimento da celulite. Na verdade, a vitamina C presente na fruta é vital para a formação de colágeno. Como a celulite está muito vinculada ao excesso de flacidez, o consumo de um alimento rico em ácido ascórbico melhorará bastante o aspecto da pele no que tange à formação da celulite. A única associação entre laranja e tal problema cutâneo se deve às ondulações da casca da fruta, que remetem a uma celulite de grau 2.

Gengibre

O gengibre possui propriedades que auxiliam o fígado na eliminação de toxinas e também age como um aditivo benéfico para a voz. Esse alimento é consumido com frequência na culinária japonesa (sushi e sashimi), podendo ser acrescentado aos sucos.

Couve

A couve pode ser considerada o alimento mais importante da dieta detox, pois participa de todos os processos de detoxificação do fígado. Mulheres gestantes podem tomar suco de couve com limão para desinchar o organismo. A dica também pode ser seguida por pessoas que estejam com intensa retenção hídrica.

Boldo

O boldo é ajuda a aperfeiçoar o funcionamento do fígado, contribuindo para a eliminação de toxinas e produção de enzimas necessárias à digestão.

 

Brócolis

O brócolis é constantemente recomendado por diversos nutricionistas devido ao elevado poder desintoxicante proporcionado pelo alimento. No entanto, essa característica só existe quando ele é consumido cru ou cozido por, no máximo três minutos. Cinco minutos já são suficientes para que o vegetal perca suas propriedades. Além dos alimentos liberados para consumo durante a dieta detox, existes aqueles que podem potencializar o processo. Esses alimentos auxiliares devem ser utilizados para aprimorar o funcionamento do fígado.

 

 

 

Existem alguns alimentos importantes no processo de detoxificação. Entretanto, há de fazer algumas ressalvas, pois o fígado desmonta todas as toxinas, motivo pelo qual esses alimentos devem ser evitados por pessoas que estiverem realizando quimioterapia. Isso porque os remédios quimioterápicos terão o efeito bloqueado pela ação do fígado, e essas drogas precisarão agir para cumprir uma função específica. Portanto, os alimentos auxiliares na detoxificação são direcionados a pessoas que estejam saudáveis.

Arroz e feijão

É importante salientar que a dobradinha arroz e feijão, além de imbatível, não engorda. Mas, para isso deve-se respeitar a proporção de 4 colheres de sopa de arroz para cada 3 de feijão. Essa mistura é vital, pois os nutrientes ausentes no feijão são complementados pelo arroz e vice-versa.

Também é importante destacar que a família dos feijões inclui a lentilha. Para variar, vale a pena apostar no consumo de feijão branco, preto, carioca, e ervilha.

Algumas pessoas têm o hábito de mesclar arroz com purê de batatas. Na verdade, o ideal é optar por apenas um deles a cada prato, pois ambos são fontes de carboidratos. Além disso, caso o prato não contenha uma fonte leguminosa da família do feijão, a preferência deve recair sobre o purê. Complementando o prato, uma alternativa é cozinhar a cenoura juntamente com o frango, pois dessa forma ela ficará com o aroma da carne.

Óleo

Outro detalhe igualmente relevante é a quase total ausência de óleo, que deve ser preferencialmente azeite. Mesmo aquecido, ele apresenta boas propriedades. Outros tipos devem ser evitados pelo simples motivo de que a aparência plenamente transparente, sem odor e aroma é obtida mediante uso intenso de metal pesado, que acaba permanecendo no produto. O azeite, se possível, deve ser prensado a frio.

Quanto ao volume de azeite usado na salada, vale lembrar que o ideal é que a quantidade diária não ultrapasse 1 colher de sopa. Logo, essa quantidade deve ser dividida entre almoço e jantar. Caso o azeite também seja consumido sobre algum alimento durante o café da manhã, deve-se separar a mesma quantidade em três dosagens.

O óleo de coco é um bom substituto para o azeite. Porém, cabe salientar que essa alternativa é contraindicada às pessoas que possuem gordura no fígado. Primeiramente, a gordura do coco permanece um longo período fornecendo energia para a parede intestinal, porém, a gordura restante acaba sendo deslocado para o fígado. Contudo, não há contraindicações para quem retirou a vesícula.

Carnes

A carne vermelha está presente em quase todos os pratos dos brasileiros e ela deve ser consumida. Entretanto, deve-se ter atenção quanto à quantidade, que não pode ultrapassar mais que 100 g por prato. Embora o corte patinho seja predominantemente ingerido na forma moída, ele pode ser consumido de diversas maneiras distintas. Além disso, trata-se de uma carne com baixíssimo volume de gordura.

Em vez de sempre manter a carne como principal fonte proteica, às vezes, é aconselhável trocá-la pelo ovo. A gema é rica em colina, substância altamente benéfica para o cérebro. O ideal é que cada indivíduo coma, ao menos, um ovo por dia, se possível dois.

Em contrapartida, apesar do filet mignon apresentar um sabor muito palatável e uma aparência bem avermelhada, se ele for cortado em 100 pedaços, 78 deles serão gordura. Substituindo o filet mignon pela picanha sem capa de gordura, é possível emagrecer cerca de 3 kg por ano somente devido à diferença de gordura detida por ambas as carnes.

Para medir a quantidade correta de peixe, frango e carne vermelha que deve ser ingerida, basta tirar a medida usando a própria mão. O tamanho do bife de carne vermelha deve ser correspondente à dimensão da palma sem considerar os dedos, ou seja, apenas a região central. Já a quantidade de frango e peixe abrangem os dedos.

Couve

Para preparar a couve cozida, a primeira medida a ser feita é aquecer o azeite com o tempero escolhido, como o alho. Uma vez aquecido, o azeite deve ser retirado do fogo e receber a couve crua, que deve ser salteada. Dessa forma, a couve se mantém crocante e ainda preserva todos seus nutrientes.

Água

Quanto mais alcalina for a água, melhor será para o organismo. Todos devem tomar bastante cuidado com o tipo de líquido consumido, pois existem águas que são comercializadas como fantásticas, mas, na verdade, são extremamente ácidas.

Variar o tipo de alimento e a forma de preparo também são detalhes fundamentais. Assim, o indivíduo deve alterar os vegetais com o passar das semanas.

Couve de Bruxelas

Existem certos alimentos que devem ser consumidos diariamente. Aqueles que formam a família dos repolhos e das couves são considerados como um reforço imunológico, proporcionando benefícios ao organismo e, particularmente, ao fígado. Dentre alguns deles, destacam-se o brócolis, a couve-flor, e a couve-de-Bruxelas. A última é tratada como uma bomba atômica positiva para o fígado. A vantagem é que nem é preciso comê-la em grandes quantidades para conseguir obter os benefícios, três brotos já são suficientes.

Repolho roxo

O repolho roxo possui uma concentração de antocianinas superior a contida no açaí, e pode ser consumido na forma de salada ou refogado.

Nabo

O nabo é outro alimento interessante, apesar de ser quase sempre desprezado.

 

As frutas vermelhas são igualmente interessantes, pois são antioxidantes. As oleaginosas também participam do processo, assim como o arroz integral, quinoa, cereais (aveia, por exemplo), e leguminosas (lentilha e grão-de-bico), que contêm fibras.

No caso das fontes de proteínas, a dieta considera o consumo de ovos e peixes (altamente concentrado em ômega-3).

Tendo em vista que a dieta detox remove as carnes do cardápio, a quinoa ganha destaque, pois tem grande concentração de aminoácidos. O sal também é importante, mas deve-se substituir a versão refinada pelo sal marinho, ou rosa. O sal light não é recomendado, pois possui aditivos químicos, diferentemente das duas versões mencionadas anteriormente.

Água

A água (convencional ou de coco) é o meio pelo qual todos os elementos mobilizados serão excretados. A água com gás, nesse primeiro momento, também não deve ser usada. As toxinas tendem a ficar localizadas em regiões ricas em gordura, já que as primeiras aderem às moléculas da segunda. Portanto, quem consome há demasiado tempo muita gordura e açúcar, possui um excesso de toxinas fixadas sobre o tecido adiposo. Quando se inicia o processo de detox, ou mesmo de perda de peso, essa gordura é descolada, levando consigo as toxinas presentes. Depois, é necessário biotransformar as toxinas através do fígado, e excretá-las.

Proteínas

As proteínas devem ser formadas por ovos e peixes. Nenhum dos alimentos deve ser frito.

Temperos

É incentivado o uso de temperos naturais, como a cúrcuma, que é anti-inflamatória. Deve-se usar muito alho e cebola. Existe uma infinidade de temperos naturais, como salsa, cebolinha e salsinha. Logo, é desnecessário utilizar temperos artificiais.

Chás

Dentro do período da dieta detox, o chá deve ser ingerido preferencialmente antes das refeições. Como a bebida impulsiona o processo digestivo, ela ajuda a liberar enzimas. Daí a importância de se consumir o chá em horários próximos às refeições. Assim, todos os chás são liberados para consumo. O chá de hortelã, por exemplo, deve ser consumido cerca de 15 minutos antes das principais refeições. Contudo, deve-se ter atenção à quantidade, que não pode ultrapassar os 100 ml por vez.